Como é Floripa para a paulista

Como é Floripa para a paulista

Quando criança eu já tinha uma obsessão por Santa Catarina. Quando me perguntavam para onde eu queria ir, ou morar, ou estar, respondia: Santa Catarina. Isso sem nem conhecer o lugar! Quando cresci e virei uma adolescente “cool” eu queria era morar em Floripa. Estava decidido: faria minha faculdade na capital de Santa Catarina.

Não fiz.

Dias antes do Natal resolvi passar a virada do ano em Floripa, visitando uma amiga de lá que conheci no tempo em que ela morou em São Paulo. Ela mora em uma casa com vista para a beira-mar e com silêncio –  o maior tesouro para quem mora em São Paulo. E aquela brisa que entra pelas janelas dando frescor à casa e acalmando quem nela mora? Não vou nem lembrar senão eu choro…

Minha amiga estava linda, magra, saudável… “parei de comer aquele monte de pão que eu comia em São Paulo, guria”. E também bronzeada dos passeios quase que diários na praia. Morri. Eu, excessivamente fora do meu peso de tanta ansiedade que São Paulo me causa, com uma pele horrorosa que até minha mãe me manda ir ao dermatologista e sim, continuo comendo pão. E quando ela diz que talvez morasse em São Paulo novamente, eu olho para o mar da janela do quarto e digo: “Nem pensar! Olha a vida que você tem!”

Fim do dia na praia do Itaguaçu
Fim do dia na praia do Itaguaçu

E como uma boa anfitriã, minha amiga me levou para conhecer os lugares lindos de Floripa. Entardecer em Santo Antonio, kaiaking em Jurerê, as dunas da lagoa, as pedras misteriosas da praia do Itaguaçu e as vistas impressionantes nos mirantes da ilha. E é como eu sempre digo: a melhor forma de viajar é visitando um amigo. Você tem companhia na viagem e ainda te mostra o lugar como ele é, falando das qualidades e defeitos. Sem o viés de turista.

Mas o que mais me chamou a atenção em Florianópolis foi a qualidade de vida. Aquela que eu não tenho. E vou confessar a vocês a minha invejinha (do bem) de quem mora lá:

Cidade “provinciana”. E qual o problema? É justamente isso que torna Floripa uma cidade tão acolhedora onde todos se conhecem, conversam e se abraçam.

As pessoas educadas e simpáticas. Quem disse que as pessoas do sul são frias, esqueceu de excluir os manezinhos da ilha. Fui muito bem tratada por todos e já me sentia à vontade em qualquer lugar.

As amigas (dos tempos de colégio!) vão uma na casa das outras facilmente. Isso é lindo de se ver! Eu só consigo encontrar minhas amigas em São Paulo depois de marcar e desmarcar uns cinco encontros. As gurias em Floripa se encontram, riem e choram juntas, emprestam as roupas umas para as outras e ainda me acolheram como se eu fosse da turma, fazendo com que eu me sentisse amiga delas há muito tempo. Obrigada gurias!

gurias em Floripa reveillon

O sotaque. “Tu visses”, “Entendesses?”, “Estais na praia?”. Gente, eu quero falar assim!

Floripa tem tudo. Praia, lagoa, dunas, ponte, vento, estrelas. E teve até um arco-íris depois da chuva! É muita emoção para uma paulista.

E no avião de volta pra São Paulo, a única coisa que conseguia pensar era “e por que eu nunca fui morar lá mesmo?”

viajar Floripa-2
Fim de tarde na lagoa

 

2 Comments

  1. Pingback: Como conseguir tempo para viajar? | Be happy now

  2. Tenho essa mesma vontade de sair de SP e viver em Floripa até o fim. Amo aquele lugar. Um dia, ainda vou…de vez.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*