Encontrei o charme de Kuala Lumpur

Encontrei o charme de Kuala Lumpur

Quando eu disse para o Pedro que iria passar um tempo na Malásia ele, que já viajou por essa região me disse: “Pra que? Não tem nada na Malásia”. Outras pessoas que também já conheciam diziam o mesmo, quase que desprezando o país. Mas eu queria tirar as minhas próprias conclusões e assim reservei 10 dias de viagem para a Malásia, começando por Kuala Lumpur.

Quando cheguei em Kuala Lumpur e fui dar uma volta, conhecer a cidade e as torres Petronas (cartão postal da cidade) comecei a achar que as pessoas tinham razão. Faltava um charme na cidade, sabe? A cidade é fria.

Eu me hospedei entre o bairro de Chinatown e Litle India, um lugar cheio de hostels e comum entre os mochileiros. É uma bagunça, na verdade. Mas foi ali que eu encontrei o charme de Kuala Lumpur.

No terceiro dia na cidade, depois de voltar de um exaustivo e não empolgante templo hindu (Batu Caves), saí da estação de metrô e encontrei uma rua cheia de lanternas chinesas no teto, barraquinhas, gente e fumaça. Ali só podia ter comida… Aquela comida típica da Malásia que eu ainda não havia comido. Logo peguei uma manga no palito. Eu estava adorando tudo aquilo.

E quando começou a chover, entrei numa área coberta cheia de barracas. Indianos, chineses e malasianos cozinhavam e comiam todos juntos. Esccolhi a minha barraca e o meu prato: o típico laksa lemak (noodles com leite de côco, curry, lascas de carne de porco por cima e wontons). Essa delícia por 6RM (aprox. 6 reais). A verdadeira street food: boa e barata.

Enquanto comia, olhei ao meu redor, naquele lugar trash de comida deliciosa, e reparei em toda aquela mistura de cultura. O charme de Kuala Lumpur está exatamente nessa confusão cultural.

Lá você vê templo hindu ao lado de templo budista junto às mulheres malasianas com o véu islâmico (a religião predominante no país). E aí, para confundir ainda mais, eles colocam duas torres de inox modernérrimas (Petronas) como a cereja do bolo da cidade.

Foi percebendo essa confusão debaixo daquelas barracas na chuva, em pleno calor de 33 graus, enquanto me lambuzava de noodles que Kuala Lumpur me conquistou.

Acompanhe essa viagem pelo Instagram através de #amandaviajamalasia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*