Passo a passo: como escolher o melhor hostel pra você

Passo a passo: como escolher o melhor hostel pra você

Hostel é uma das formas mais bacanas de se hospedar numa viagem. Além de geralmente ser mais barato, você ainda tem oportunidade de conhecer pessoas, fazer uma viagem sem frescura e ficar mais à vontade. Hostels não são simplesmente um lugar para você dormir. Eles fazem parte da viagem! Adicionam pessoas, histórias e alma à nossa viagem.

E para você não ficar mais na dúvida de como escolher o seu, fiz um passo a passo pra você mostrando como eu faço:

1. Descubra que tipo de hostel você quer

O que você deve se perguntar antes de escolher o seu hostel:

  • Você quer conhecer pessoas ou prefere algo mais tranquilo? Se quiser conhecer pessoas procure um party hostel. Se quiser algo mais tranquilo, procure um que não tenha festas ou até um boutique hostel (hostels que são quase hotéis).
  • Quer um hostel que tenha festa? Procure por um party hostel
  • Que valor você está disposto a pagar? Existem hostels para todos os bolsos. Claro que pagando menos, você tem menos.
  • Qual é o seu limite de desconforto? Queremos sempre o mais barato, claro. Mas é importantíssimo você avaliar o quanto limpeza, ambiente, serviço, ar condicionado entre outras coisas é importante pra você.

Tendo em mente o tipo de lugar que você deseja se hospedar, vamos para a próxima etapa:

2. Escolhendo o tipo de acomodação

Existem 3 opções: compartilhado, compartilhado misto (homens + mulheres no mesmo quarto) ou individual (uma cama de casal geralmente).

Os compartilhados podem ser de 4 pessoas, 6 pessoas, 8 pessoas e assim vai. Quanto mais pessoas, mais barato fica. Essa opção também é bacana para quem vai viajar em grupo e quer ficar junto no mesmo quarto. A maioria dos hostels fecha até o quarto pra sua turma se você quiser.

Os individuais são bacanas principalmente para casais que não dispensam o custo/benefício de hostel mas querem um pouco mais de privacidade.

Como eu viajo muito sozinha, durmo muito mal, tenho insônia e acordo com qualquer barulho; prefiro ficar num quarto privado para descansar melhor. Massss… isso tem um preço que nem sempre eu posso pagar. Portanto eu busco um equilíbrio:

Exemplo: Na minha viagem à Argentina, como irei ficar em cidades e hostels diferentes, escolhi um quarto privado em alguns hostels(com base nos dias que eu acho que estarei mais cansada) e, para outros, escolhi um quarto compartilhado misto. Ou seja, eu tento equilibrar conforto e preço.

3. Pesquisar

Os sites que eu mais gosto para pesquisar são: hostels.com e hostelworld.com. São fáceis, intuitivos e o melhor é que você pode ver o que as pessoas acharam dos hostels. Eu dou muito valor às avaliações, principalmente as negativas para ver se o que elas falam de ruim realmente me incomoda. Olha esse que eu reservei no Ushuaia pelo Hostelworld:

hostel-be-happy-now

hostel-be-happy-now-2

4. Fazendo a reserva

Eu gosto de usar os sites que mencionei acima para pesquisar, mas prefiro reservar diretamente nos sites dos hostels que escolhi apenas por questão de hábito. No entanto, alguns deles não fazem reserva direta e só aceitam através desse site. Ok, sem problemas. Não há taxa extra nenhuma por isso.

Geralmente, em qualquer site, logo depois que você faz a reserva, recebe um e-mail de resposta. É tudo muito simples e sem complicação.

5. Coisinhas para pensar

  • Cada pessoa tem um perfil e isso é fundamental na hora de escolher um hostel. Não significa que você precisa passar perrengue, ficar desconfortável ou ficar interagindo com pessoas o tempo todo se você não quiser. Hoje há hostels de todos os tipos e para todos os perfis e bolsos. Basta você pesquisar e escolher aquele que melhor se encaixa com você. Eu por exemplo, já não tenho mais paciência para dividir um quarto com muuuita gente. Então quando tenho dinheiro prefiro ficar em quartos privados. Mas conheço pessoas que gostam  de compartilhar e é muito bom também. Cada um deve procurar o que é melhor pra si em cada viagem.hostel-amanda-viaja
  • Eu dou muita importância pra localização. Se for ruim eu nem reservo. E como geralmente você não conhece o lugar, a melhor forma de ver se a localização é boa é ler a avaliação das pessoas a respeito.
  • Aprendi que geralmente você tem aquilo que você paga (quanto mais barato, menos conforto, menos limpeza, etc).
  • Eu confesso que gosto de dar um google, por exemplo: “hostel Cusco”, só pra ver o que aparece em destaque. Geralmente esses são os mais utilizados pelas pessoas. O meu hostel maravilhoso de Cusco eu achei assim. Apareceu no Google, vi que tinha festa e nem olhei mais nenhum.
  • Gosto de ver a página do Facebook também para medir o ânimo do hostel.
  • Hostel pode ser bem confortável se você ficar em quarto privado. Fiquei em vários que tinham toalha de graça dobrada igual um ganso na minha cama, xampu (sem condicionador porque aí já é coisa de gente frescurenta), sabonetinho, cafeteira, mesinha pra cafeteira e só. Mas tá bom, não?
  • Chinelinho é sempre bom pra tomar banho.
  • Se você tem problemas pra dormir mas quer ficar num quarto compartilhado, toma uma remedinho! Assim você não ouve barulho, não sente cheiro de chulé, não fica pensando se sua bunda está pra fora da coberta…
  • Hostel é legal pra casais também! Sempre tem vários.
  • Hostel é legal para formar casais também. Foi assim que achei meu boy.
  • Depois de nos conhecermos num party hostel, meu namorado e eu ficamos num boutique hostel em uma outra viagem e gostamos. Ficamos nos sentindo um casal rico. De vez em quando é bom…
  • Se você não está a fim de festa, não fique em um hostel que tem festa. Eu já cometi esse erro e me arrependi. A festa foi até às 6 da manhã na sala ao lado do meu quarto e eu, que não estava numa viagem em clima de festa, não consegui dormir nunca.
  • Não tem idade cronológica para ficar em hostel. O que importa é a sua idade de espírito. Sério.

Ilustração: Byvik ink

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*