Viajar com amigos: o que faz de você uma boa companhia?

Viajar com amigos: o que faz de você uma boa companhia?

Assim que eu começo a pensar numa viagem, começo a pensar também em qual amigo poderia ir comigo. Fico selecionando na minha cabeça quais seriam as melhores companhias. Mas peraí… será que eu sou uma boa companhia? Será que as pessoas gostariam de viajar comigo?

Fiquei pensando em como eu gostaria que meus amigos fossem durante a viagem para que eu seja também. Boas práticas que nos tornam boas companhias de viagem. Veja se você concorda:

Esteja aberto e deixe fluir. Você está indo viajar porque quer ter a melhor experiência da sua vida, certo? E para que isso aconteça, você deve estar aberto a tudo o que possa acontecer na viagem. Uma boa forma de se abrir é dizer “sim” às coisas. Sim para um shot de tequila, sim para passar a tarde dançando e comendo com uma família local, sim aos flertes…

Não planejar demais. Eu não quero ser a chata que chega com uma listinha de programação diária que deve ser cumprida. Vamos conversar juntos e decidir o que é melhor fazer. Lembrando que o melhor é sempre o não planejado.

Não seja deprê. Um amigo meu estava me contando que viajou ao leste Europeu com amigos e um deles não parava de choramingar o término com a namorada. Tudo bem, as pessoas sofrem com isso. Mas se você vai viajar com amigos o melhor é aproveitar para recomeçar dar risada com os amigos, sem contaminar ninguém com chororô. Afinal seus amigos te convidaram para se divertir! Portanto, terminou um relacionamento, o cachorro morreu, perdeu o emprego… deixe as lamentações em casa.

Não reclamar das coisas. Se o wi-fi do hotel não funciona direito, se na Índia só tem comida vegetariana, se a trilha foi mais difícil do que te contaram… Já é chato aguentar gente reclamando no dia a dia. Imagina em uma viagem?! No hostel em Machu Picchu, conheci um grupo de amigos de Minas no qual um dos meninos não era do tipo que fazia viagens roots, ficava em hostel, essas coisas. Ele era um cara que gostava de conforto e coisas finas. Mas os amigos estavam surpresos porque ele estava adorando a viagem, dormindo no hostel sem reclamar, felizão. É esse é cara que você tem que ser. O cara que ainda que fora de sua zona de conforto, sabe curtir a viagem. Ou no mínimo, não reclama.

Ser parceiro(a). Aquele cara que pede informação quando necessário, que olha o mapa para entender melhor onde vocês estão, que entende quando a amiga quer ir pra night conhecer uns gringos e que te ajuda em caso de emergência. Passei por uma situação interessante que ilustra bem esse ponto. Eu passo muito mal com barco (muito mesmo, de ter que tomar 3 dramins a cada meia hora pra ter certeza de que vou sobreviver ao passeio). Em duas viagens diferentes que fiz os dramins não funcionaram e fiquei mal, a ponto de achar que iria morrer. Em uma delas a amiga que me acompanhava nem ligou e me deixou morrendo sozinha no barco enquanto saiu pra jantar com um grupo que tinha acabado de conhecer. Na outra viagem com outra amiga, ela me deu todo o suporte necessário, comprou remédios e me ajudou até que eu me sentisse melhor. Esse tipo de parceria é fundamental numa viagem a um país desconhecido.

Você viaja sabendo o quanto vai gastar. É muito simples: se você não tem dinheiro suficiente para bancar a viagem você não vai. O ideal é você alinhar com seu amigo previamente o quanto vocês pretendem gastar na viagem. Tenho uma amiga que nunca conseguimos viajar juntas porque nunca chegamos a um consenso de quanto gastar. Sei que ela é gastadeira e vai querer almoçar e jantar em restaurantes caros todos os dias. E eu não tenho dinheiro pra isso o tempo todo. Portanto a melhor coisa é não ir, do contrário eu ficarei frustrada por estar gastando o que não posso ou ela ficará frustrada por ter que comer em lugares baratinhos na maioria das vezes.

Ser educado. Você é educado com seu amigo(a) e com todas as outras pessoas. Tenho uma amiga que em uma viagem me fez passar vergonha por destratar o taxista! Passei tanta vergonha que nunca mais quero viajar com ela. Mas foi um erro meu porque já tinha percebido que no dia a dia ela tratava as pessoas muito mal, então claro que numa viagem não seria diferente.

Ser paciente. É possível encontrar uns defeitinhos no seu parceiro de viagem. Mas quem não tem? O esquema é ser paciente, conversar se tiver um grande problema ou até dar risada do defeito do outro! Conheci duas amigas que viajavam juntas e era o maior barato porque uma delas vivia zoando a outra porque ela tirava foto muito mal e ainda dizendo “e todas as fotos que você tira de mim ficam péssimas! Com uma lata de lixo do lado, torta… Pô, e eu aqui tirando foto de você com o maior capricho”. Claro que as duas acabavam rindo (e eu também!).

Mas o que eu considero a melhor prática (porque pode cobrir todas as outras acima) é levar o melhor de você na viagem: o mais legal de você, o mais divertido, o mais generoso, o mais paciente, o mais aventureiro… Durante uma viagem, a tendência é que as sensações se potencializem e a real personalidade apareça. E você não quer potencializar e mostrar o quanto você é chato, certo? Portanto, vá de coração aberto e oferecendo o que você tem de melhor. O “amigos para sempre” agradece.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*