Tag - cachoeira

Morro São Jerônimo na Chapada dos Guimarães MT

O que fazer na Chapada dos Guimarães: dicas completas para o roteiro

Praticamente tudo de mais legal que há para fazer na Chapada fica dentro de um Parque Nacional.  É preciso disposição para percorrer trilhas sobre o sol do cerrado do Mato Grosso. Separamos todas as dicas beeeem detalhadas para você saber o que fazer na Chapada dos Guimarães.

O que você vai encontrar nesse post:

Dicas da Chapada dos Guimarães

Chapada dos Guimarães: como ir

A cidade e Parque Nacional da Chapada dos Guimarães estão a cerca de 60 quilômetros de Cuiabá, capital do Mato Grosso. De carro, o trajeto pode ser realizado passando por apenas uma estrada, a Rodovia Emanuel Pinheiro (MT-251), mas que exige atenção do motorista. 

Para ir para a Chapada dos Guimarães de ônibus, você também pode embarcar na rodoviária de Cuiabá (as passagens custam a partir de R$ 17,58 e os horários podem ser consultados no site) ou fechar um transfer saindo do aeroporto de Cuiabá. Táxi e apps de transporte não costumam valer muito a pena. 

Como se locomover na região

Se o ponto de partida for a cidade de Chapada dos Guimarães, sua entrada está a 11 quilômetros de distância. Ou seja, carro é necessário para ir a praticamente todos os atrativos.

Você pode alugar um veículo já no aeroporto de Cuiabá (há diversas opções de locadoras) e seguir viagem ou contratar os passeios com agências de turismo. De qualquer forma, lembre-se que, em algumas estradas, é necessário um veículo 4×4.

E o acesso do parque nacional é feito pela Rodovia Emanuel Pinheiro – MT 251, que margeia e corta a área de preservação em grande extensão.

Sol iluminando paredão rochoso na Chapada dos Guimarães

Melhor época para conhecer a Chapada dos Guimarães

O parque costuma estar aberto à visitação o ano todo, mas boa parte dos turistas prefere conhecê-lo de julho a outubro, quando a incidência de chuvas é menor; já de dezembro a março, há menos movimento, mas as chances de chuva aumentam.

Como contratar guia na Chapada dos Guimarães

Quase todos os passeios precisam de guia (exceto os mirantes e a Cachoeira véu da Noiva). Para facilitar, existe um site com os guias credenciados (super importante!) da Chapada. Não precisa marcar com muita antecedência – ligando na semana da viagem já é possível agendar.

O que levar na mala para a Chapada dos Guimarães

Uma mala de roupas pensada para curtir atrativos de natureza inclui protetor solar, boné, repelente, óculos de sol, tênis e roupas confortáveis para as trilhas – a maioria delas tem trechos sem sombra, então é importante levar uma jaquetinha corta vento também!

Além disso, outra dica é colocar roupas de banho por baixo das roupas de trilha para curtir as cachoeiras. No outono e inverno, as noites podem ser frias, então vale colocar mais algum casaco na mala. Por fim, ao sair para fazer os passeios, leve sempre água e um lanchinho com você. 

Mochila para trilhar montanhas sobre uma pedra e com uma montanha ao fundo

Onde ficar na Chapada dos Guimarães

A opção mais prática para quem quer ficar perto dos atrativos naturais da Chapada dos Guimarães é hospedar-se na cidade de Chapada dos Guimarães, vizinha ao parque.

Nela, há diversas opções: de hostels amplos, como o Zizi Home, a pousadas aconchegantes, como a Pousada Villagio e Pousada Jardim da Chapada, e os apartamentos bem estruturados e mais modernos da Pousada Vivá.

A Pousada do Parque é um charme só e uma das favoritas dos turistas porque consegue acolher bem depois de um dia de trilhas. 

Lembrando que não é permitido acampar dentro do Parque Nacional da Chapada dos Guimarães. 

Área comum da Pousada do Parque, com mesas, cadeiras e rede. Ao fundo, área verde da Chapada dos Guimarães.
Pousada do Parque

Onde comer na Chapada dos Guimarães

Na cidade de Chapada dos Guimarães, algumas recomendações de restaurantes são o

Em dias úteis, boa parte deles pode fechar cedo, por isso, programe-se e confira também se a pousada que você irá ficar serve refeições. Além disso, você pode (e deve!) levar água, frutas e sanduíches para os passeios no parque nacional, apenas lembrando-se sempre de trazer de volta o seu lixo, ok?

O que fazer na Chapada dos Guimarães

Existem as atrações dentro do parque nacional e as atrações em volta do parque. Vamos falar de todas.

Parque Nacional Chapada dos Guimarães: o que tem dentro do parque

Prepare-se para dias inesquecíveis em meio à natureza! Além do Mirante Véu de Noiva e a Cachoeira dos Namorados e Cachoeirinha, que indiquei aqui em cima, há muito o que ver e fazer na Chapada dos Guimarães. 

IMPORTANTE: No Parque Nacional da Chapada dos Guimarães, mesmo que você esteja com o seu próprio veículo, é obrigatório estar acompanhado de um guia credenciado em boa parte dos atrativos. Você pode ir sozinho apenas ao Mirante Véu de Noiva e à Cachoeira dos Namorados e Cachoeirinha. Para contratar um guia autorizado, é preciso agendar previamente.

Cachoeiras dos Namorados e Cachoeirinha

As cachoeiras dos Namorados e a Cachoeirinha têm acesso simples, que inclusive é o mesmo da portaria do mirante Véu de Noiva. A trilha é auto-guiada e tem 1.300 metros e elas ficam a 200 metros de distância uma da outra.

Atenção: o acesso a elas fica aberto todos os dias das 9h às 12h, mas é preciso voltar à entrada do parque até as 16h. 

Cachoeirinha no parque nacional da chapada dos guimarães
Cachoeirinha

Mirante da Cachoeira Véu de Noive 

O cartão-postal da Chapada dos Guimarães é relativamente simples de ser acessado: o mirante da Cachoeira Véu de Noiva pode ser acessado pela entrada principal do Parque Nacional da Chapada dos Guimarães, no quilômetro 50 da rodovia MT-251.

Para admirar a vista, é preciso caminhar cerca de 500 metros do estacionamento do parque até o mirante, que fica aberto todos os dias das 9h às 16h.

Chegando lá, você vai ter certeza de que esta é uma viagem que vale a pena: a cachoeira Véu de Noiva chama a atenção ao meio ao paredão da chapada com seus imponentes 86 metros de altura. 

Mirante com vista para a cachoeira véu de noiva.
Cachoeira Véu da Noiva

Casa de Pedra

A gruta conhecida como Casa de Pedra foi esculpida naturalmente pelo córrego Independência e possui alguns vestígios de desenhos rupestres em suas “paredes”. Ela pode ser acessada pelo mesmo trajeto do Circuito das Cachoeiras e do Morro São Jerônimo.

Cidade de Pedra

Pense em uma vista para um paredão de formações rochosas e a nascente do rio Claro! Para chegar ao principal trecho, conhecido como Cidade de Pedra, é preciso caminhar apenas 500 metros. O acesso é feito pelo quilômetro 10 da rodovia MT-251 sentido Cuiabá. 

Circuito das Cachoeiras (dia inteiro)

Este é o passeio perfeito para quem ama cachoeiras! São cerca de seis quilômetros percorridos (ida e volta) em seis horas de caminhada com parada em seis cachoeiras (7 de Setembro, Pulo, Degraus, Prainha, Andorinhas e Independência) e duas piscinas naturais. 

cachoeira na Chapada dos Guimarães MT

Morro São Jerônimo 

Uma das vistas mais incríveis da Chapada dos Guimarães está no topo do Morro São Jerônimo, que é um dos pontos mais altos do parque nacional! São mais de 800 metros de altitude no cume. Para este passeio, é preciso ter resistência física: a caminhada dura de cinco a seis horas, incluindo subidas, descidas e um pequeno trecho de escalada.

São permitidos até 36 visitantes por dia nesta trilha, por isso, chegue cedo para garantir a sua entrada – o acesso é aberto às 8h30.

Morro São Jerônimo na Chapada dos Guimarães MT
Morro São Jerônimo

Vale do Rio Claro

Que tal uma parada para banho em um rio de água cristalina após admirar os paredões da chapada no pico Crista de Galo?

Para chegar ao Poço da Anta e ao Poço Verde, é preciso percorrer seis quilômetros a partir do quilômetro 36 da rodovia MT-251. A trilha pode ser acessada a pé, de bicicleta ou com veículo 4×4. 

Vale do Rio Claro na Chapada dos Guimarães no MT
Vale do Rio Claro

O que fazer fora do parque nacional da Chapada

Algumas atrações na Chapada dos Guimarães ficam fora do parque nacional. E ainda assim, vale a pena conhecer. Separei aqui embaixo as principais.

Caverna Aroe Jeri e Gruta da Lagoa Azul

É uma das atrações mais conhecidas e esperadas da Chapada. A caverna Aroe Jari é belíssima, com muitos trechos submersos e pinturas rupestres. E no final dela, você encontra a lagoa azul.

Não dá pra mergulhar na lagoa, mas a vista é linda. Os horários mais bonitos (e consequentemente lotados) desse visual acontecem em julho (das 13h30 às 15h30) e em agosto pela manhã – graças à localização da incidência da luz do sol.

Tanto a caverna quanto a gruta ficam numa fazenda particular e precisam de guia para entrar. Também é obrigatório o uso de perneiras e calçados fechados (botas ou tênis). Você vai andar um pouquinho… São 3,5km para chegar em cada trecho e você pode optar por fazer a pé ou com um trator adaptado.

gruta lagoa azul na chapada dos guimaraes
Gruta da Lagoa Azul

Caverna Kiogo Brado

Fica a 800 metros da lagoa azul que falamos aí em cima. A caverna tem apenas um caminho que vai se estreitando. Mas não precisa se preocupar: há espaço suficiente e você anda sempre pelas pedras e ao lado da água.

caverna kiogo brado na chapada dos guimaraes
Caverna Kiogo Brado

Mirante do Centro Geodésico

Ali você vai estar no ponto que é o centro da América do Sul. A vista é linda (principalmente nos meses mais secos) e se você for num dia de céu aberto, vai conseguir ver até a cidade de Cuiabá (a 30km).

Morro dos Ventos na Chapada dos Guimarães no MT
Morro dos Ventos

O que fazer na cidade da Chapada dos Guimarães 

O município da Chapada dos Guimarães é um bom lugar para se hospedar e ter como base se você pretende passar vários dias na chapada. Além disso, o lugar abriga alguns atrativos.

Na praça central da cidade, há uma feira de produtos locais no sábado de manhã e outra de artesanato à noite. Há ainda alguns bares, que ficam mais agitados aos finais de semana. Os dias úteis são bons para quem quer curtir as cachoeiras sem multidões, porém, parte do comércio da cidade pode fechar cedo. Veja outras dicas!

Igreja de Santana

Na praça principal da cidade, você vai encontrar uma igrejinha fofa que vale a pena tirar uma fotinho. Por ali também tem bares, restaurantes e lojinhas.

Praça da Igreja de Santana na Chapada dos Guimarães em MT

Observação de Aves

Leve binóculos e câmera para ver araras-vermelhas, tucanos, bem-te-vis e outros animais! Alguns dos pontos mais indicados para observação de aves na Chapada dos Guimarães são o Vale da Bênção, o rio Salgadeira e as estradas do centro para a Aldeia Velha e o Mirante Geodésico. 

passaro na Chapada dos Guimaraes

O que fazer na Chapada dos Guimarães à noite

O agito acontece aos finais de semana (especialmente no sábado!) na praça central da cidade de Chapada dos Guimarães, onde há a feira de produtos locais pela manhã e a de artesanato à noite.

Em geral, às sextas, sábados e domingos, os bares e restaurantes fecham mais tarde para receber os turistas. Mas, para ser sincera: vale a pena curtir um pouco do centro, sim, mas também pensar em dormir cedo para começar os passeios pela manhã, pois a tarde o sol pode estar forte e dificultar as caminhadas.

O que fazer em um dia na Chapada dos Guimarães

Se você quer fazer um bate-volta na Chapada dos Guimarães, vai ficar com gostinho de “quero mais”.

Mas, é claro, dá para ter uma prévia das belezas do Parque Nacional da Chapada dos Guimarães em um dia: vá ao Mirante Véu de Noiva e à Cachoeira dos Namorados e Cachoeirinha, pois são os passeios mais fáceis e rápidos para quem tem pouco tempo – e, além disso, são os únicos que você não precisa agendar um guia para te acompanhar. 

O que fazer em 5 dias na região da Chapada dos Guimarães

Com mais tempo, recomendo adicionar o circuito das Cavernas Aroe Jari e Kiogo Brado e Gruta da Lagoa Azul. Ele fica fora da área do parque nacional, mas vale a pena para quem tem vários dias na Chapada dos Guimarães.

Em uma área particular a pouco mais de 40 quilômetros da cidade, uma única trilha dá acesso à quatro cavernas – entre elas, a caverna Aroe Jari, que é considerada a maior caverna de arenito do Brasil! – à Cachoeira do Relógio e à Gruta da Lagoa Azul. Na volta, você pode parar no Mirante Geodésico se quiser avistar Cuiabá.

chapada dos guimaraes no mato grosso

RESOLVA SUA VIAGEM AQUI (com descontos!)

[button link=”http://www.segurospromo.com.br/p/amandaviaja/parceiro?tt=resolvasuaviagem” color=”silver” text=”dark” window=”yes”]SEGURO VIAGEM
todos com desconto[/button] [button link=”https://www.viajeconectado.com/?utm_medium=parceirospromo&pcrid=558&utm_source=site-blog&ref=parceirospromo&pcrtt=resolva sua viagem” color=”silver” text=”dark” window=”yes”]CHIP DE CELULAR
internet ilimitada[/button] [button link=”https://www.booking.com/index.html?aid=1208348” icon=”home” color=”silver” text=”dark” window=”yes”]HOTÉIS
hostels, pousadas[/button] [button link=”http://www.airbnb.com.br/c/anoventa” icon=”star” color=”silver” text=”dark” window=”yes”]AIRBNB
ganhe R$200[/button]

O que fazer em Paraty: principais passeios e outras dicas

Você sabia que recentemente Paraty, junto com Ilha Grande, foi declarada Patrimônio Mundial pela Unesco? É o primeiro destino no Brasil (e na América do Sul!) a ser tombado na categoria mista, ou seja, de abrangência cultural e natural.

O título inédito reconhece o valor histórico da região, um dos principais portos comerciais do país no século 18, e a natureza abundante do Parque Estadual da Serra do Mar, onde existe a maior área contínua remanescente de Mata Atlântica. 

Como se não bastasse ter vestígios do rico passado e vegetação nativa bem preservados, Paraty ainda tem uma agenda cultural movimentadíssima. O grande destaque é a Flip, o evento literário mais prestigiado do país, mas a verdade é que Paraty tem atrações culturais ao longo de todo o ano!

Reuni nesse artigo dicas dos principais atrativos de Paraty, incluindo o centro histórico, as praias e cachoeiras, e informações práticas para organizar a sua viagem para um dos destinos mais charmosos do Rio de Janeiro, confira!

Onde fica Paraty

Paraty tá no litoral do Rio de Janeiro, a 250 km da capital carioca. Também fica bem pertinho da fronteira com São Paulo, a cerca de 280 km da capital paulista.

Como chegar a Paraty

Os aeroportos mais próximos são o Galeão e o Santos Dumont, no Rio de Janeiro, seguido por Congonhas, em São Paulo. Dá para combinar a viagem a Paraty com outros destinos no litoral carioca e paulista, como Angra dos Reis e Ubatuba, respectivamente. 

Eu sugiro alugar um carro no Rio ou em São Paulo para já poder usar o veículo para conhecer as praias nos arredores da cidade, mas também dá para chegar de ônibus e contratar passeios ou usar transporte público. 

De carro para Paraty

No Rio, a partir do centro, basta seguir as direções para pegar a Avenida Brasil e em seguida a BR 101. O trajeto é pela rodovia Rio-Santos, que percorre todo o litoral.

Quem vem de São Paulo deve pegar a BR 116 e seguir por 135 km até o desvio para a BR 383, para Ubatuba. De lá, são mais 72 km até Paraty pela BR 101. O Google Maps sugere fazer o caminho pela BR 116 até a cidade de Guaratinguetá e de lá pegar a BR 459. O caminho é mais curto, mas pode levar mais de uma hora, já que a velocidade é reduzida e o tráfego é controlado no Parque Nacional da Serra da Bocaina, entre Cunha e Paraty. Só vale pegar essa estrada se a ideia for curtir o visual. 

De ônibus para Paraty

A Viação Costa Verde faz o trecho Rio-Paraty (passagem a partir de R$ 79; 4h30 de viagem), saindo da rodoviária Novo Rio. Em São Paulo, a rota é operada a partir do Terminal Tietê pela Reunidas Paulista (passagens R$ 86-104; 6h de viagem).

Onde ficar em Paraty: pousadas

Redes hoteleiras e resorts são raros em Paraty, onde a hospedagem típica são as pousadas, várias delas instaladas em charmosas casas coloniais. Não que isso signifique menos conforto ou luxo, muito pelo contrário. Algumas pousadas boutique, inclusive, podem custar tanto quanto um hotel 4-5 estrelas. 

Eu selecionei algumas das alternativas de hospedagem em Paraty que considerei de melhor custo-benefício, em diferentes faixas de preços. Também já fiz um post super completo sobre onde ficar em Paraty com sugestões dos leitores. 

Naturalmente, ficar no centrinho histórico é a melhor opção, mas as diárias são bem mais caras. Quem quiser economizar, pode ficar em bairros mais distantes e igualmente agradáveis, como em direção à praia de Jabaquara ou à estrada Paraty-Cunha, com muito verde. 

Onde eu já fiquei

A Pousada Bartholomeu foi o lugar mais legal que já me hospedei em Paraty. Além da excelente localização, a pousada tem quartos e ares coloniais bem típicos de Paraty. Além disso tem um café da manhã delicioso e bem servido e um restaurante onde você pode almoçar e jantar se quiser.

Outras opções legais:

$
Che Lagardo Hostel
Carpe Diem Hostel

$$
Pousada Aurora
Pousada Bartholomeu

$$$
Pousada Corsário
Pousada Morro do Forte
Pousada Arte Urquijo
Pousada do Ouro

$$$$
Pousada do Sandi
Pousada Literária
Casa Turquesa

[button link=”https://www.booking.com/searchresults.xb.html?city=-659504&aid=1208348&no_rooms=1&group_adults=2″ icon=”hand-o-right” color=”green” window=”yes”]Outras pousadas em Paraty[/button]

Melhor época para ir a Paraty

Em Paraty, o verão é quente e úmido. Ou seja, chove bastante. Por isso, mesmo sendo alta temporada, não é a melhor época: os preços são mais caros, as praias lotam, a cidade alaga e pode até ter queda de energia. As trilhas e estradinhas de terra da região podem ter acesso interrompido.

O inverno é a estação seca, com dias quentes e noites amenas. Talvez você precise usar um casaquinho a noite, mas de dia rola até pegar praia. 

Na primavera e outono, as temperaturas são mais altas, mas as chuvas intensas já marcam presença. Maio e setembro ainda são bons meses. Independentemente da época do ano, sempre é mais tranquilo curtir a cidade em dias de semana (sábado e domingo o fluxo de turistas é bem maior, assim como as diárias nos hotéis de Paraty). 

 

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Amanda Noventa (@amandanoventa) em

 Festivais em Paraty

Ao planejar a data da viagem, é importante lembrar dos festivais em Paraty. Alguns eventos culturais e religiosos costumam atrair ainda mais visitantes, o que também encarece a estadia durante essa época.

FLIP PARATY

A FLIP, Festa Literária Internacional de Paraty, tem uma programação com palestras, discussões e oficinas literárias, sempre no mês de julho. O evento, reconhecido internacionalmente, reúne nomes da literatura nacional e internacional e entusiastas literários. A cada edição é feita uma homenagem a um autor: em 2019, o escolhido foi Euclides da Cunha e o seu clássico “Os sertões”. 

EVENTOS CULTURAIS

Em setembro, os amantes da fotografia lotam a cidade durante o Paraty em Foco. Quem gosta de jazz e blues deve visitar a cidade em maio, quando acontece o Bourbon Festival Paraty. Música também é destaque no Viva o Verão, durante o mês de janeiro. Fãs da cachaça e dos sabores da culinária brasileira devem gostar do Festival da Cachaça, em agosto. 

DATAS RELIGIOSAS

A forte cultura religiosa, herança do período colonial, deu origem à tradição das festas católicas. Paraty é bastante movimentada durante a Páscoa (normalmente em abril), a Festa do Divino (no final de maio) e Corpus Christi (meados de junho), data na qual tapetes de flores, serragem e areia cobrem as ruas de pé-de-moleque.

Outras festas populares são as de Nossa Senhora dos Remédios, padroeira de Paraty, entre agosto e setembro, e de Santa Rita, que às vezes coincide com a Flip, no final de julho.

Quantos dias em Paraty

Dá pra ter uma ideia de Paraty em dois dias inteiros — um para explorar o centro histórico e o vilarejo de Trindade e outro para fazer um passeio de barco pela baía. Eu considero ideal pelo menos três dias, para poder dedicar mais tempo às praias e cachoeiras da região. Se você quiser ficar 4 ou 5, atrativos não faltam. 

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Amanda Noventa (@amandanoventa) em

O que fazer em Paraty

Entre explorar as ruelas do centrinho histórico, curtir as praias, tomar banho de cachoeira e fazer passeios de barco, há muito o que fazer em Paraty. Selecionei o que eu considero imperdível!

Centro histórico de Paraty

Fundada em 1667, Paraty entrou para o mapa após a descoberta de ouro e outras preciosidades em Minas Gerais no comecinho do século 18. Depois que o Rio de Janeiro se tornou a capital da colônia, em 1763, foi inaugurado um novo caminho da Estrada Real, a única via por onde era autorizado transportar os minérios e diamantes extraídos. Com isso, a cidade perdeu a sua importância portuária e eventualmente entrou em declínio. 

Por muitos anos permaneceu esquecida, até ser redescoberta pelo turismo. Hoje, as ruas em pé-de-moleque, o colorido casario colonial, os charmosos restaurantes e lojinhas de artesanato são um convite a passear sem rumo (e com um tênis confortável!) pelo centrinho histórico.

O eixo turístico está concentrado entre a rua do Comércio e a Praça Matriz. Aliás, é nessa praça que charretes aguardam os turistas para um passeio guiado pelo centrinho.

Entre as principais atrações históricas, vale mencionar o Forte Defensor Perpétuo, a única fortificação da cidade, com uma vista panorâmica; e as igrejas coloniais, entre as quais se destacam:

  • Igreja da Matriz
  • Igreja Nossa Senhora do Rosário e São Benedito
  • Igreja Nossa Senhora das Dores
  • igreja de Santa Rita

Também vale dar uma passadinha no Cais de Paraty, se não para tirar fotos, pelo menos para negociar com os barqueiros o preço dos passeios de barco

Quem quiser conhecer o Caminho do Ouro, parte da antiga estrada, ainda hoje preservada, deve contratar um guia autorizado, já que a via hoje passa por propriedades particulares. O passeio, no meio do Parque Nacional da Serra da Bocaina, geralmente inclui visita a cachoeiras e alambiques da região.

Passeios de barco em Paraty

A baía de Paraty tem dezenas de ilhas e praias acessíveis apenas pelo mar. Em muitos pontos, as águas cristalinas são um convite para mergulhar e ver peixinhos. São três tipos de passeios de barco:

  • Passeios de escuna, com até 60 passageiros em itinerários de 5 a 6h, parando normalmente nas praias Vermelha e da Lula, na Ilha Comprida e na Lagoa Azul; preços a partir de R$ 60 por pessoa;
  • Embarcar em uma traineira, um tradicional barco de madeira, com capacidade entre 10-15 passageiros e passeios privativos ou em grupos; preços a partir de R$ 150 por pessoa;
  • Alugar uma lancha rápida, para 4 a 8 pessoas, a opção mais rápida e confortável para conhecer o maior número de lugares ou locais mais distantes; preços a partir de R$ 200 por pessoa.

Você pode chegar na hora e negociar com os barqueiros ou reservar antecipadamente (e sem dor de cabeça) clicando aqui.

Praias em Paraty

A cidade de Paraty tem duas praias urbanas: a do Pontal, pertinho do centro, e a de Jabaquara, no bairro de mesmo nome, a 20 min a pé. Essa segunda praia tem águas calmas e uma extensa faixa de areia, ótima para prática de esportes náuticos como SUP. Tem também vários quiosques e restaurantes bacaninhas. 

Fora da cidade, acessíveis de barco, carro ou a partir de trilhas, são dezenas de praias paradisíacas. As preferidas entre os turistas estão em Trindade.

Praias em Trindade

A 25 km ao sul do centro histórico, no interior da Área de Proteção Ambiental do Cairuçu, está o vilarejo de Trindade. Lá é tudo bastante rústico, com algumas pousadas, campings e restaurantes. Eu, pessoalmente, acho que não vale muito se hospedar lá, até porque o acesso de carro ou de ônibus a partir de Paraty é bem fácil e prático para passar o dia. 

Entre as praias, se destacam a Praia do Cepilho, popular entre surfistas; a dos Ranchos, com alguns restaurantes; a Praia do Meio, em zona protegida e portanto sem nenhuma barraquinha (às vezes tem vendedores ambulantes); e a Praia do Cachadaço, a mais linda de todas. Se você caminhar até a extremidade dessa praia e pegar uma trilha de 20 minutinhos pela mata, chega numa piscina natural entre as pedras, simplesmente fantástica. 

A 10 km do povoado, está o Condomínio Laranjeiras, onde começa uma trilha de 1h30 para a espetacular Praia do Sono, popular entre a galera que gosta de acampar. Também dá pra chegar lá com barcos que saem da Praia do Meio. 

Paraty Mirim

Outro vilarejo é Paraty-Mirim, a 18 km do centro, com praias repletas de traineiras e a antiga Igrejinha de Nossa Senhora da Conceição. É ponto de partida dos barcos para locais na área de preservação ambiental da Reserva Ecológica da Joatinga, como o Saco do Mamanguá, Praia da Sumaca, Ponta da Joatinga, Martim de Sá e Cairuçu das Pedras. 

São lugares de uma beleza praticamente intocada, com vários circuitos de trekking e campings nas praias.  

Saco do Mamanguá

O ecoturismo em Paraty é um dos destaques nessa península ao sul, acessível por Paraty-Mirim. Poucas pessoas o conhecem, mas ali se encontra o Saco do Mamanguá, o único fiorde brasileiro — isto é, uma entrada do mar entre montanhas —, com 8km de extensão e 2km de largura. Ao todo, são 33 praias e 8 comunidades caiçaras. Do Pico do Pão de Açúcar, se tem uma vista incrível. 

Cachoeiras

Para completar, a natureza estonteante da região também brinda os turistas com várias cachoeiras. As mais turísticas estão na estrada Paraty-Cunha, no Parque Nacional da Serra da Bocaina. 

Algumas estão em área particular, como a Cachoeira da Pedra Branca e a Cachoeira do Iriri, e por isso é necessário pagar uma taxa da entrada. Outras, como a Cachoeira do Taquari e a popular Cachoeira do Tobogã, tem livre acesso.

Várias agências oferecem passeios em jeeps 4×4 para as cachoeiras, geralmente combinado com uma visita aos tradicionais alambiques da região. 

Alambiques em Paraty

Paraty é famosa pela produção artesanal de cachaça (o nome da cidade já foi até sinônimo da bebida!). É possível visitar vários alambiques em funcionamento na região: 

  • Paratiana
  • Corisco
  • Pedra Branca
  • Engenho d’Ouro
  • Coqueiro
  • Maria Izabel

Dá pra conferir todos as informações no mapa dos alambiques no site da Associação dos Produtores e Amigos da Cachaça de Paraty.  

O que fazer em Paraty à noite

Paraty não é lugar de grandes agitações ou baladas. Então o movimento acontece nas ruas do centrinho histórico. Por isso, a coisa mais gostosa para fazer em Paraty à noite é andar pelas ruazinhas, escolher um bar/restaurante com mesinhas pra fora, sentar em uma delas, pedir uma cerveja e petisco e ficar jogando conversa fora enquanto observa o movimento. Os bares da praça costumam ficar bem agitados.

O que fazer em Paraty com chuva

Não tem jeito, dependendo da época, pegar chuva em Paraty é quase inevitável. Mesmo assim, vários passeios de barco e tours para as cachoeiras saem normalmente e você vai ver gente curtindo as praias mesmo com uma leve garoa. 

Pode ser melhor evitar fazer as trilhas mais difíceis e as estradinhas de terra que levam aos vilarejos vizinhos, principalmente por conta própria. Se a chuva for muito intensa, o melhor é calçar um bom par de sapatos, pegar o guarda-chuva e perambular pela cidade. Aproveite para fazer as clássicas fotos das construções coloniais refletidas em poças d’água!

O que fazer em Paraty com chuva?

Onde fazer compras em Paraty

Tem muitas lojinhas em Paraty de todos os tipos. Mais caras com produtos mais sofisticados e de decoração, mais baratas que funcionam mais como souvenir e também tem algumas pessoas vendendo artesanato pelas ruas. Eu não poderia deixar de dar a dica de uma loja que fui que tinha muitos produtos de artesanatos bonitos e coloniais por um preço mais barato do que as outras lojas (vai ver que é porque ela fica mais discreta).

O nome da loja é Artesanato Craguata (R. da Lapa, 92-68 – Centro Histórico). Pode colocar no google maps que você acha. Comprei um tucano de madeira lindo por lá por R$60

photo of red petaled flowers near green closed door

VEJA TODOS OS POSTS DE PARATY

Onde ficar em Paraty: as 23 melhores pousadas e hostels

Pousada em Parathy: Bartholomeu

 

RESOLVA SUA VIAGEM AQUI (com descontos!)

[button link=”http://www.segurospromo.com.br/p/amandaviaja/parceiro?tt=resolvasuaviagem” color=”silver” text=”dark” window=”yes”]SEGURO VIAGEM todos com desconto[/button] [button link=”https://www.viajeconectado.com/?utm_medium=parceirospromo&pcrid=558&utm_source=site-blog&ref=parceirospromo” color=”silver” text=”dark” window=”yes”]CHIP DE CELULAR internet ilimitada[/button][button link=”https://www.booking.com/index.html?aid=1208348″ icon=”home” color=”silver” text=”dark” window=”yes”]HOTÉIS hostels, pousadas[/button][button link=”http://www.airbnb.com.br/c/anoventa” icon=”star” color=”silver” text=”dark” window=”yes”]AIRBNB ganhe R$179[/button]