13 curiosidades sobre a Dinamarca e dinamarqueses

13 curiosidades sobre a Dinamarca e dinamarqueses

Às vezes eu me confundo achando que vou encontrar uma cultura diferente apenas se for para algum país exótico. Mas visitando um país como a Dinamarca dá pra perceber que a cultura de qualquer país pode surpreender. São tantas coisas diferentes (e melhores) que a nossa vida no Brasil que fiz uma listinha das mai curiosas:

copenhagen-dinamarca-amanda-viaja

DINAMARCA E DINAMARQUESES

1. É tão seguro que você pode voltar andando pra casa de madrugada numa boa

As pessoas nem pensam na possibilidade de alguma coisa acontecer porque isso praticamente não existe na Dinamarca. Eu voltei sozinha à meia-noite do centro da cidade para o bairro onde estava me hospedando, Norrebrø, e foi super tranquilo. Encontrei outras pessoas fazendo a mesma coisa na maior tranquilidade. Quando que podemos fazer isso no Brasil??? Eu não faço nunca! Houve até um momento que estava caminhando na beira de um lago (que à meia-noite me remete a ser morta e jogada ali mesmo), mas outras pessoas corriam por ali, caminhavam e me mostravam que estava tudo certo.

2. Atravessar fora da faixa de pedestres dá multa

Multa de 700 coroas dinamarquesas (em torno de R$350). Dizem que no Brasil também, existe isso, nè? Mas parece que lá é mais levado a sério. Eu acredito que seja pelas regras de trânsito que funcionam tão bem para carros e bikes; nada mais justo que funcionem para pedestres também.

3. As pessoas usam os cemitérios como se fossem parques

Sabe quando você vai à praia ou no Ibira? Eles fazem o mesmo, só que no cemitério. Mulheres passeando com carrinho de bebê, amigos fazendo piquenique, gente tomando sol de biquini, meditando, passeando com cachorro… Normal. Tudo o que se faz num parque, só que no cemitério. Mas até dá para entender. Os cemitérios são lindos e você vê tanta gente hanging out por lá que o clima não fica nada mórbido.

copenhagen-dinamarca-amanda-viaja
Tá vendo a mãe com o carrinho de bebê lá no fundo?

4. Na escola, as crianças têm aula na floresta vários dias da semana

Se eu não me engano, são 4 dias da semana na floresta. Lá as crianças sobem em árvore, aprendem a cortar madeira, trabalhar com facas e a se virar muito melhor na natureza. Juliana, uma brasileira que conheci lá casada com um dinamarquês e mãe de duas crianças, me contou que esse sistema de educação é acessível a todos. Não é parte de escolas de pessoas privilegiadas. É normal e parte da educação dinamarquesa.

O Uol fez essa matéria bacanérrima contando sobre esse sistema de educação.

5. Eles não estão receptivos com os refugiados

Apesar de encontrar bastante imigrantes em Copenhagen, parece que a recepção ainda não vai bem com refugiados. Conversei com algumas pessoas de lá e ele estão bem resistentes a recebê-los. A Dinamarca recebeu 36 mil refugiados – pouco se comparado ao país escandinavo vizinho, Suécia, que recebeu 180 mil. A questão é complexa e se você tiver interesse em entender melhor a situação dos refugiados na Dinamarca, indico essa matéria do New York Times.

6. Quase não há machismo

Imagine um lugar onde você, mulher, pode andar pela rua sem nenhum homem olhar nojentamente pra você? Imagine você poder andar de saia e vestido numa bike e ninguém achar estranho. Imagine você poder andar pela rua e ninguém mexer com você, falando coisas escrotas. Imagine você poder andar à meia-noite na rua sem medo de ser estuprada. Copenhagen é assim.

Conversei com um mulher dinamarquesa que me contou que a única questão que elas ainda têm que lutar é para ter salários iguais.

7. Arquitetura e design são muito fortes no país e começou por causa do inverno

O design dinamarquês é conhecido no mundo todo e tem liderado essa área no mundo por décadas. Móveis, moda e até brinquedos tem um design especial (o Lego é deles, lembra?).

Uma amiga arquiteta me disse que Copenhagen é o paraíso dos arquitetos. Eu mesma, que nem sou da área, fiquei espantada com as construções modernas e funcionais da cidade. Até o aeroporto tem uns containers azuis diferentões no lugar dos banheiros.

A tradição começou em 1950 com os designers Arne Jacobsen e Hans Wegner e hoje a Dinamarca é referência no assunto para o mundo.

Se você quiser ter mais informações a respeito, pode acessar esse link.

Copenhagen mostrando porque é foda no design ✴ #amandaviajadinamarca #visitdenmark

Uma publicação compartilhada por Amanda Noventa (@amandanoventa) em

8. Quase não há ar condicionado no verão

Eu peguei uma semana em setembro de 30 graus em Copenhagen. Sol, calor. E nem um lugar sequer com ar condicionado. Faz sentido já que é o oposto do Brasil – a maior parte do ano faz frio. Mas achei bem estranho estar num café, numa empresa que visitei e até na biblioteca principal da cidade sem ar condicionado. Tudo bem… Vai ver eu é que sou calorenta.

9. Os banheiros da casa em geral são minúsculos, com o chuveiro em cima da privada e podem ficar na cozinha

Não sei qual é a questão dos dinamarqueses com o banheiro, mas como os prédios residenciais são na maioria antigos, rola essa banheiro esquisito no meio da cozinha ou com o chuveiro em cima da privada. Achei minha vida no Brasil muito luxuosa por ter um banheirinho pequeno, mas com box e ducha forte 🙂

10. Eles são muito pontuais

E estão certíssimos. Se você faz a reserva num restaurante e atrasa cinco minutos, leva uma bronca (fui avisada sobre isso por várias pessoas). E houve uma situação em que eu tinha marcado com um guia local às 10h da manhã na frente do meu prédio. Deu 10h e eu desci – devo ter levado no máximo 2 minutos para chegar à porta. E quando eu cheguei, ela já havia ligado para a pessoa que fez a reserva. Ou seja, 10h são 10h e não 10h01.

11. A licença maternidade para a família (pai e mãe juntos) é de um ano e pode ser usada dentro de nove anos

Ou seja, o pai e mãe podem quebrar esse um ano em várias partes e isso é super comum. E pela facilidade de ter e criar filhos na Dinamarca, você vê muitos pais jovens com bebês o dia todo na rua.

copenhagen-dinamarca-amanda-viaja
A bike criada no bairro de Christiania para carregar as crianças.

12. Hyggie (lê-se “ruga’)

É uma expressão que só existe na Dinamarca e que não tem tradução (tipo a nossa “saudade”). Hyggie é quando você quer ficar aconchegante como acender uma vela, ficar em frente à lareira, chamar a família para um jantar, tomar uma taça de vinho… Deu pra pegar o espírito? Eu sempre imagino hyggie como um momento também de paz e tranquilidade. Apesar do hyggie combinar com o inverno ele pode também ser feito no verão.

13. Quase tudo é orgânico

Acho que essa foi uma das coisas que me deixaram mais espantadas em Copenhagen – como eles comem bem. no supermercado há uma variedade enorme de produtos orgânicos. Todos sinalizados e vendidos como qualquer outro produto. O preço pode ser um pouco mais caro, mas as pessoas ainda dão preferência a esses produtos. E a variedade de produtos nos restaurantes também é enorme: pizza orgânica, cachorro-quente orgânico, sorvete orgânico…

Veja todos os posts da Dinamarca

O que fazer em Copenhagen na Dinamarca

guia da minha viagem para Copenhagen na Dinamarca

Onde comer em Copenhagen na Dinamarca

RESOLVA SUA VIAGEM AQUI (com descontos!)

SEGURO VIAGEM
todos com desconto
 CHIP DE CELULAR
internet ilimitada
HOTÉIS
hostels, pousadas
 PASSAGENS AÉREAS
em até 10x
ALUGUEL DE CARRO
sem IOF, em até 12x
AIRBNB
ganhe R$100

8 Comments

  1. Nossa, aparentemente deve ser sensacional morar num lugar assim. As vezes penso que o Brazil nunca vai chegar nem perto disso, sei lá, a cultura é muito diferente e parece que as coisas não estão melhorando. Mas enfim, espero estar errada. Bacana o post!

  2. Ana Clara Vieira De Assis

    vc so me fez sentir mais vontade de morar neste lugar maravilhoso!!!

  3. Também me deu vontade de ir morar lá pois no Brasil não existe a mínima possibilidade de se andar com segurança nem de dia qto mais à noite!!!

  4. Salete Maria Rodrigues de Souza

    Faz tempo que falo que queria morar na Dinamarca e agora mais ainda! Só os banheiros que me fez repensar kkkk!

  5. Marcio p Costa

    Eu e minha família vamos morar lá..

  6. Marcos Wiess

    Acho os dinamarqueses bem receptivos aos imigrantes e refugiados. O problema é que o país é pequeno, então não dá pra simplesmente abrir as portas e mandar todo mundo vir. Se você comparar com outros países da Europa, a Dinamarca é umas das mais receptivas.

  7. Eloina Goncalves Santos

    Gostaria muito de viver nesse lugar maravilhoso, respirar o de melhor para viver. me sentir livre e cheia de sonhos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*