Quando ficar em hostel é um desastre

Quando ficar em hostel é um desastre

Fui fazer uma viagem rápida para o Chile. Chegaria na quinta-feira à noite em Santiago, na sexta-feira iria para Vina del Mar, voltaria para Santiago no domingo à noite para pegar um voo na segunda-feira de manhã. Ou seja, seriam 4 noites de hospedagem. E para isso, optei por hostels.

Eu amo hostels. Eles são mais baratos do que hotéis, você tem oportunidade de conhecer pessoas de todo o mundo, alguns tem festinhas para animar a noite em uma cidade que não tem nada pra fazer e o pessoal que trabalha em hostels é, em geral, muito gente boa.

Mas essa viagem do Chile foi para eu aprender algumas coisinhas… Acabei ficando no pior e no melhor hostel da minha vida. Vamos por hostels:

Hostel #1: Santiago Backpackers (R$68 o quarto misto). É como eu sempre digo: evite chegar à noite na cidade, pois se você se decepcionar com a hospedagem ainda dá tempo de mudar. Mas eu não me ouço. Como não tinha outra opção de horário de voo, acabei chegando no hostel à uma da manhã. Fui super bem atendida, mas o hostel… o pior que já fiquei, apesar de ser bem localizado no centro da cidade. Havia encontrado através do site Hostels.com e os reviews eram bons. Fiz minha reserva direto no site deles e só havia quarto misto disponível. Fiz uma solicitação dizendo que preferia um quarto só para mulheres e eles disseram que como não havia nenhum disponível, me colocariam em um quarto compartilhado mas que não havia ninguém hospedado. Cheguei lá e isso não aconteceu porque este também estava cheio. Acabaram me dando o aluguel da toalha de graça para compensar. Conclusão: dormi em um quarto misto, pequeno e lotado sem a chave dele porque o hostel não tinha uma cópia para me dar. As instalações do hostel era ruim e tudo era muito antigo.

Lição: não durmo bem em quartos mistos, pequenos e lotados.

hostel-Santiago-viagem
Parece bom, né? Também achei quando vi essa foto. Pena que ao vivo é bem diferente…

Hostel #2: Kalagen Hostel (R$155 o quarto privativo) em Vina del Mar. Optei por um quarto privado desta vez. O hostel tinha uma excelente localização e depois de ter vindo de um hostel ruim em Santiago, estava achando esse um cinco estrelas. A primeira noite foi super tranquila. No dia seguinte, fiquei turistando pela cidade e passei horas dentro de um casino assistindo torneio de poker, blackjack e roletas até uma da manhã. Estava tudo muito divertido e eu só decidi ir embora porque estava exausta. Tudo o que eu queria era chegar no hostel, tomar um banho e dormir. Mas chegando lá estava rolando um super festa na sala ao lado do meu quarto. Devia ter umas cem pessoas. E o som era tão alto que dava para ouvir da rua! Fui para o quarto mas era impossível dormir. Era como se eu tentasse dormir dentro de uma balada. E o pior: esse som alto foi até às 6 da manhã!!! Claro que não consegui dormir. E que uma coisa fique clara: eu sou super favor de uma festinha em hostel para socializar e tal. Mas som alto até as 6 da manhã já é falta de respeito com os hóspedes que querem descansar ou que precisam acordar cedo no dia seguinte para algum passeio. Nem o Loki Hostel que me hospedei no Peru, famoso por suas festas, fica com o som liagado até 6 da manhã! No máximo meia noite e acabou.

Lição: Verificar os reviews antes da reserva e acreditar quando dizem que as festas incomodam.

kalagen-hostel-chile-viagem
Sala do hostel. Pena que na festinha tinha bem mais do que quatro pessoas e algumas caixas de som…

Hostel #3: Rado Boutique Hostel (R$126 o quarto privado). De volta a Santiago, fiz questão de um hostel mais bacana onde eu pudesse descansar depois de tantas noites mal dormidas. E esse hostel foi o mais legal que já fiquei na vida! Bem localizado no bairro de Bela Vista, super limpo, organizado, ótimo atendimento e decoração de pop art (que nem precisava ter, mas quem não gosta de ver coisa bonita?!). Tinha um cozinha que dava até vontade de cozinhar! E um super terraço com uma churrasqueira profissional! Juro que nem dava mais vontade de ir embora e pena que seria só por uma noite. Mas como nem tudo é perfeito, às quatro da manhã disparou um alarme de uma fábrica ao lado do hostel que ficou tocando para sempre e acabou me acordando. Mas isso já não era culpa do hostel…

Lição: Às vezes vale a pena gastar um pouco mais em um hostel, principalmente quando a viagem vai ser corrida e cansativa.

quarto-rado-hostel-viagem
Quarto. É cinco estrelas? Não, mas para mim é!
cozinha-rado-hostel-viagem
Cozinha do hostel. Eu poderia cozinhar para todos vocês lá!
hostel-santiago-viagem-2
Eu, felizona, no hostel legal. Eu poderia morar lá!

 

 A foto principal do post, lá no topo, é do filme Hostel. Só para dramatizar um pouco mais a história…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*