Mal de altitude: como evitar no Peru, Chile e Bolívia

Mal de altitude: como evitar no Peru, Chile e Bolívia

Nem todo mundo sente o mal de altitude e, se sente, os sintomas variam de pessoa para pessoa. Eu, por exemplo, sou mais afetada pela dor de cabeça ou fico mais ofegante, mas também não acontece o tempo todo. Ou seja, não é porque você vai viaja para um desses lugares, que sente alguma coisa. Mas é bom que você vá sabendo o que fazer e se prevenindo…

MAL DE ALTITUDE

O que você pode sentir

  • dor de cabeça
  • enjoo
  • ficar mais ofegante nas caminhadas

MAL DE ALTITUDE NO PERU: CUSCO E MACHU PICCHU

Cusco é uma cidade com 3400 metros de altitude e você corre o risco de ter que enfrentar o “soroche”, que é o mal de altitude ou mal da montanha. Nem todo mundo sente o mal de altitude (eu, por exemplo, não sinto quase nada mas muita gente passa mal). A maneira como você vai se sentir (SE sentir) é uma surpresa. De qualquer maneira, é bom você saber um pouco mais como é esse mal de altitude e ir se preparando.

A boa notícia é que Machu Picchu em si é um lugar baixo, portanto lá é onde você menos vai sentir a altitude. A má notícia é que, caso você queira fazer a Rainbow Mountain, esse é o pior lugar. Prepare-se.

No Peru tem um extra para evitar o mal de altitude. Lá é vendida a água florida, uma das coisas milagrosas do Peru. Uma solução de água e ervas vendida em diversos lugares da região por um preço baratinho. É bastante eficiente principalmente para dores de cabeça. Coloque um pouco na palma da mão, esfregue uma mão na outra, coloque-as tampando sua boca e nariz e inale pelo nariz. A dor de cabeça passa na hora.

mal de altitude
Água de Florida

MAL DE ALTITUDE NA BOLÍVIA

Posso falar sobre a minha experiência no Salar de Uyuni com 3656 metros acima do nível do mar. Não passei mal e não senti muita dor de cabeça – somente na primeira noite, no primeiro refúgio. Mas há casos de pessoas que não passam tão bem. Por isso, é bom ficar atenta – lá não há nenhuma assistência com relação a isso e você passará quatro dias viajando num jeep e dormindo no deserto.

MAL DE ALTITUDE NO ATACAMA

No Atacama é mais difícil sentir a altitude, com 2300 metros de altitude. Os principais passeios nos quais você pode sentir são: Geiseres del Tatio (4300m) e trilha ai vulcão Lascar (acima de 5 mil metros). Por isso é aconselhado que você deixe a ida ao geiser para o meio da viagem e, se decidir subir o Lascar, faça no fim da viagem (eu fiz no último dia, depois de voltar da Bolívia e já estar ambientada).

No Atacama você vai encontrar farmácias caso precise. E, fazendo os passeios com uma boa agência de viagem, é provável que eles levem consigo latas de oxigênio para um momento de necessidade.

Como evitar e o que fazer

mal de altitude
Como fazer com o álcool gel e água florida, esfregando nas mãos e inspirando.
  • bebidas alcóolicas e comidas muito pesadas logo no primeiro dia podem não ser uma boa ideia. Pegue leve se perceber que as coisas não vão bem. Já cometi esse erro no Peru e quase desmaiei.
  • o chá de coca que você encontra em diversos lugares é para ser bebido à vontade e sem medo de dar barato (porque não dá). Ele ajuda bastante a evitar o mal de altitude.
  • mascar folha de coca também pode ser eficiente. Funciona assim: coloque umas duas no fundo da boca e fique mascando pelo tempo mais longo que você conseguir. É ruim, mas faz bem.
  • tomar água é essencial contra o mal de altitude.
  • dá pra tomar também um remédio chamado Diamox. O ideal é que você comece a tomar ainda no Brasil para que chegue ambientado na sua viagem (consulte um médico, tá)
  • Pouca gente sabe, mas álcool gel ajuda na dor de cabeça (testado e aprovado por mim). Basta colocar um pouco na palma da mão, esfregar uma a outra e inspirar bem forte (como na foto ao lado, quase chorando e tossindo). O efeito é instantâneo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*