Como planejar uma viagem quando você nem sabe por onde começar

Como planejar uma viagem quando você nem sabe por onde começar

Juro que uma das minhas resoluções para 2014 é planejar de fato as minhas viagens. Fui uma vergonha em 2013… esqueci a data do meu voo para Cancun e só fui descobrir um dia antes de ir, esqueci de comprar meu ingresso para o parque de Machu Picchu e quase não consegui entrar, paguei um pouquinho caro no voo para Buenos Aires comprando um dia antes de embarcar e assim vai… Mas estou aprendendo com os meus erros.

E agora, vou passar algumas das lições que aprendi para vocês:

1. Defina qual tipo de viagem você gosta de fazer. Você é uma pessoa clássica, que gosta de museus, restaurantes, gente fina, elegante e sincera? Ou você prefere algo mais roots, onde provavelmente vai ser mal atendido mas isso não é um problema pra você? Essa definição do seu perfil é a etapa MAIS importante da viagem para que você não se decepcione. Se você detesta história e prefere fazer compras, nunca poderá ir ao Peru, por exemplo, onde só há sítios arqueológicos e bolsas hippies. Sacou?

2. Compre as passagens. Há muitos sites que podem te ajudar com essa procura. É a parte mais chata da viagem porque você tem que garimpar meeesssssmo. Mas se estiver cheio da grana e isso não for um problema pra você… morra! Brincadeirinha!!! Vá ser feliz e compre sua passagem! Quando você efetua a compra, sai do momento mais chato do planejamento da viagem para o mais legal: quando a viagem vira algo concreto!

3. Escolha onde ficar. O mais legal é pegar uma indicação com alguém que já tenha ido. Mas a regra do item 1 vale aqui também: se você vai viajar sozinho o tipo de hospedagem é um, se vai em família é outro e se vai de casal é outro. Você não vai querer levar seu filhinho de 4 anos para um hostel, vai? E se estiver viajando sozinho não vai querer um lugar cheio de crianças chorando all day long… Pesquise bastante e converse com quem já foi.

4. Está com todos os documentos em mãos? Precisa de visto? Precisa de passaporte ou só o RG já é suficiente? Alguns parques e museus pelo mundo exigem passaporte para entrar. Os Estados Unidos, por exemplo, exige passaporte, visto e todos aqueles documentos que você tem guardado naquela caixa dentro do guarda-roupa. Já alguns países da América do Sul exigem apenas RG. Mas não faça como o meu pai que foi ao Uruguai numa road trip e, chegando no Chuí, se deu conta que esqueceu o RG e não poderia entrar. Um dia conto essa história pra vocês…

5. Vai levar quanto? É importante definir o quanto você pode gastar. Definido isso, bora fazer uma pesquisa de taxa de câmbio. Você pode levar uma quantia em dinheiro e uma parte em cartões de viagem (esquece isso porque o IOF do travel card aumentou. Leva tudo em dinheiro, ryco). Só não recomendo nunca, nunca, nunca na vida o cartão de crédito (e agora débito) pelas taxas de IOF.

6. Ok. Aí você chega lá e sai do aeroporto como? Pesquise isso também. O aeroporto é longe do hotel? Dá pra ir de metrô? Quanto fica o táxi? Vale a pena pagar o transfer? Você tem que se perguntar tudo isso. Um google maps pode te ajudar a ter noção de distâncias e definir a melhor forma.

7. Defina seu roteiro. É muito chato fazer um roteiro com todos os passos e definir horários e regras. Uma viagem deve te deixar livre para imprevistos que podem ser  incríveis descobertas! Mas é legal você ter noção do que a cidade te oferece. E alguns ingressos de trens, museus e atrações ficam mais baratos se você comprar com antecedência.

8. Conheça a cultura local. Alguns países possuem regras e costumes diferentes dos nossos. No Marrocos, por exemplo, é perigoso mulheres andarem sozinha. Nos Estados Unidos, é proibido consumir bebidas alcoólicas na rua. E em Singapura, não se masca chiclete. Mas essa diferença toda é o que faz cada país visitado ser mais especial.

Aproveite!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*